Pular para o conteúdo principal

Unbiquitous

Opa, mal criei o blog e ela já ficou meio empoeirado.

Para iniciar as postagens oficiais do blog, vou falar um pouco das pesquisas das quais faço parte no meu mestrado na Universidade de Brasilia.
Desde o início de 2007 temos um grupo na Universidade chamado UnBiquitous. O Grupo foi fundado por 2 Doutores, 1 Mestre, 1 Aluno especial (Na época eu) e 2 alunos de graduação. Na época acabávamos de ter nossa primeira publicação na universidade na área de computação ubíqua, decorrente do trabalho realizado pelo (então recém) Mestre Alexandre Gomes.

O trabalho produzido pelo Alê foi a construção de um middleware para disponibilidade de serviços em ambientes ubíquos. Nome complexo e pomposo, mas resumidamente foi a construção de um software que permita que diversos dispositivos presentes em um ambiente possam compartilhar recursos entre si de forma fácil e simplificada. Desta forma eu poderia facilmente utilizar o teclado do meu celular pra digitar um email na tela da minha televisão.
Foi a apresentação do trabalho do Alê que me trouxe para este meio "ubíquo". Desde então fundamos o grupo de pesquisa e dedicamos nossos primeiros 4 meses pesquisando o que havia acerca do assunto e definindo nossos objetivos dentro do mundo ubíquo.

Na área de computação ubíqua existem diversos projetos, muitos deles se destacam, principalmente pelo apelo comercial que a idéia teve no mercado de dispositivos móveis. Nosso primeiro desafio antes de definir nossos objetivos foi definir quais características escolheríamos para determinar que tal assunto era ubíquo (visto que as intersecções com outras área é extremamente vasta) por isso nos atentamos a duas características:
  • Capacidade de se Comunicar: Nada pode ser ubíquo sem poder conversar antes com o universo a sua volta. Assim sendo, nossa pesquisa teve que se voltar para meios que facilitassem, assegurassem, ou viabilizassem a comunicação entre aplicações e dispositivos, de preferência sem amarrações a linguagens, tecnologia ou hardware.
  • Ser pervasivo: Aqui a palavra pervasivo se refere fortemente ao conceito explicitado por Mark Weiser em seu artigo "Design Calm Technology" acerca da periferia da sua atenção. Neste Sentido, nossos estudo devem buscar trazer a tecnologia para um uso tão natural do ser humano que apenas a utilidade fique e não o meio que a viabiliza.
Sob estas duas premissas foi possível diferenciar nosso foco e nossos objetivos de outros grupos de estudos espalhados mundo afora. Como o grupo foi formado após a Tese de Mestrado que trouxe o UnbiquitOS à vida, e devido a sua proposta especial perante outros middlewares, o UbiquitOS serviu de base para definirmos os próximos passos. Sob ele delineamos diversas áreas a serem estudadas, dentre elas :
  • Perfil : Adaptabilidade e estabelecimento de perfis de usuário
  • Infra-Estrutura : Capacidade de acessar diversos tipos de Redes (Lógicas e de Enlace)
  • Segurança : Garantia da capacidade de assegurarmos a autenticidade de um dispositivo e de seus dados.
Existem outros áreas, mas fica para um post mais específico falar sobre cada uma delas. Em cima da áreas foram divididos vários grupos específicos para se dedicarem as mesmas. Neste ponto o grupo cresceu de 6 para por volta de 45 pessoas, este acréscimo de pessoal trouxe um grande encargo de gerência, mas trouxe ânimo para continuarmos o desenvolvimento da idéia.
Hoje estou a cargo do u-redes, grupo responsável pela parte infra-estrutura do projeto. Neste grupo temos hoje 3 projetos em andamento sendo um deles minha tese de mestrado, somos no grupo 4 pessoas, maiores detalhes ficam para um post futuro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al