Pular para o conteúdo principal

Twitter Trial

Hoje fazem 15 dias que fui para o twitter, então vou falar um pouco dessa experiência e de como ela tem sido. Pra quem for ler, saiba que estas são as minha impressões pessoais sobre a ferramenta, e por isso seu experimento pode obter resultados inesperados.

Eu me considero lento em absorver novas ferramentas. Mas isso faz parte do meu jeito de lidar com as coisas, gosto de estudar e analisar antes de mergulhar. Antes de entrar no twitter eu estudei a ferramenta, procurei muitas opiniões. Nenhuma me levou a visualizar utilidade para mim ou ao menos gostar da ferramenta. O twitter sempre se apresentava como uma mistura de rede social e rss. Em resumo, uma ferramenta que não me agrada e outra que me agrada bastante. Mas após a entrada da Intacto (@IntactoSoftware) na ferramenta, decidi entrar também e ver como funcionava na pele (@nukdf). Seguem então minhas impressões e dicas para quem ainda vai entrar neste universo.

Seguir

Esse é o ponto principal do twitter. Se você está na ferramenta você segue alguém. A grande questão é quem seguir e porque seguir. Aqui fica a cargo de cada um definir suas preferências, mas não se distancia muito de como você povoa seu RSS com os feeds que mais lhe interessam na blogosfera.
No twitter, temos diversas pessoas tuitando sobre os mais diversos assuntos. Nesses meus 15 primeiros dias adicionei apenas pessoas que ou eram próximas ou que já conhecia seu conteúdo de outros lugares (blogs, listas, etc). Com alguns eu acertei, com outro errei. E com isso fui adicionando e removendo conforme foi indo.
Muitas pessoas tuitam com uma freqüência enorme, outras menos. Uns falam de trivialidades outros sobre assuntos mais relevantes. E ainda temos as pessoas que simplesmente não tuitam, apenas seguem.
Existem muitos perfis que apenas tuitam os posts de seus blogs. Para mim este não é o grande forte da ferramenta. Bons blogueiros sabem usar o twitter para divulgar suas opiniões mais "rápidas" e compartilhar coisas que possam interessar seus leitores. Utilizando melhor a ferramenta.
Escolher quem seguir é o ponto chave para saber se você vai tirar bom proveito ou não da ferramenta.

Os 140 caracteres

Se você tem algo interessante para divulgar, talvez o twitter seja um bom lugar para fazê-lo. Assim como os blogs, flogs e comunidades em redes sociais, para se divulgar informações no twitter bem, deve-se definir quem será seu público alvo. No caso do twitter, por usar característica mais voltada para "redes sociais" isto pode ser mais nebuloso que em outras ferramentas. Porém, tenha em mente que caso você fique divagando no twitter sobre aonde você vai a cada instante, aquele link interessante sobre novas metodologias de desenvolvimento pode acabar não sendo visto. E este tipo de mix pode atuar contra você.
Aqui também vale um pouco de experimentação, é tão fácil de se postar e se ver entre trivialidade que eu mesmo me vi postando coisas que não devia nestes 15 dias de uso. Mas o bom senso é algo que nos ajuda em todos os lugares.

Ferramentas

Nem experimentei usar o twitter na sua interface natural. Já de cara não me agradou e pareceu que não ia me agregar muitos recursos. Por isso já procurei de cara uma ferramenta para me ajudar a organizar essa bagunça.
Hoje estou usando o TwitterDeck e estou satisfeito. A ferramenta tem alguns pontos a melhorar, mas atende ao que necessito. Um de seus recursos mais interessantes é o de cadastrar uma pesquisa e receber a notificação de twits que casam com o que você busca. Mas este recurso também existe em outras ferramentas.
Existem muitas outras por aí (Twitterrific, Twitterfox/Echofon, HootSuite) acho que cabe a cada um descobrir qual tem os recursos que realmente lhe interessam.

Conclusão

Bem, ainda estou experimentando a ferramenta. Já obtive bons resultados neste experimento e já tive minhas decepções. Mas até agora justifica continuar seu uso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al