Pular para o conteúdo principal

Minha experiência no Dojo Brasília

Como programador este ano foi muito divertido pra mim. Afinal, foi em janeiro que eu comecei a frequentar o Dojo Brasília. Uma experiência muito rica pra mim que decidi compartilhar um pouco aqui.


O convite inicial me foi feito pelo Ian na primeira semana do ano. Eu não topei de início pois não sacava muito a idéia por trás do coding dojo. Por fim, acabei indo na minha primeira sessão no final de janeiro na qual participei da codificação do Campo Minado. A experiência foi tão boa que acabei viciando. Cheguei, inclusive, a evangelizar um pouco da idéia junto ao Rolim durante a semana de extensão da UnB. Agora o ano se finaliza e chega a hora de fazer uma super retrospectiva de como foi essa experiência.


A primeira coisa que me agregou no Dojo foi a experiência de codificar em equipe. Certamente esta é uma oportunidade sem igual. Colocar suas idéias junto as dos demais, isto em um contexto onde todas são analisadas sem filtros, gera uma oportunidade de crescimento incrível. Ao longo das sessões vi que muitos conceitos e hábitos meus estavam muito errados, outros ainda eram válidos e o melhor de tudo, vi muita coisa que desconhecia. Trocar idéia com pessoas experientes como o Pedroso como gente que estava engatinhando no desenvolvimento foi algo bastante valioso.
Com a experiência a gente acaba se expondo pouco a essas trocas de informações com outras pessoas. Passamos a acreditar que o desenvolvimento ao estilo "lobo solitário" é mais "rápido" e parece atender melhor as nossas necessidades. E assim perdemos a oportunidade de nos expormos a esse processo de cruzamento e evolução de idéias.


Eu sempre gostei de ler sobre outras tecnologias e linguagens. Infelizmente não me dei muitas oportunidades de experimentá-las. Durante os dojos pude ter contato com tudo isso além de ter o direito de botar a mão na massa. Codificamos em JavaScript, Perl, C, Java, Ruby e Phyton. Fizemos desde problemas matemáticos a jogos. Brincamos bastante. E essa mistura de tecnologias e projetos pode parecer bizarra a alguns, mas é justamente isto que gera uma oportunidade única. Estando exposto a um novo ambiente, com novos paradigmas, recursos e problemas você fica mais atento aos detalhes e as possibilidades a sua frente. Quando você retorna ao seu código habitual você começa a notar diversas questões que não via antes. É graças a estas situações inusitadas que você se permite vislumbrar novos caminhos. Depois deste ano, meu ferramental como desenvolvedor deu uma bela incrementada.


E um dos principais pontos que foram aprendidos no Dojo foi o TDD. É incrível como esta técnica é unânime entre todos os dojos que você procurar. Mais incrível ainda foi que, apesar de conhecer a técnica de nome a alguns anos, sempre a achei distante da minha realidade. Foi então neste ano que vi o quanto ela é aplicável na maior parte dos contextos em que desenvolvo. Depois de vencida a barreira inicial, e de trazer a mesma para o dia-a-dia, é difícil tirar a técnica do sangue. Hoje já aplico ela a todos os projetos onde tenho que desenvolver (inclusive os legados) e tenho até dificuldade em não usá-la. Codificar com TDD te traz uma segurança enorme que é sentida a cada vez que você roda seus testes e sabe que seu software está garantido.


A cada sessão de dojo estávamos livres para tentar o código que desejássemos. Não tínhamos restrição de tempo ou escopo. Nosso objetivo era chegar no código que mais nos satisfizesse. Chegamos a gastar sessões inteiras apenas refatorando nossos códigos. Assegurados por nossos testes estávamos livres para testar diversas possibilidades e idéias. O importante não era apenas ter um código que rode, mas um código que agrade e agregue.

Tenho certeza que tem muitas outras lições aprendidas durante este meu primeiro ano de Dojo Brasília. Fico no aguarde do ano de 2011 que com certeza trará muitos novos aprendizados. Caso você seja de Brasília, deixo o convite a participar dos nossos encontros. Para isso basta entrar no nosso grupo de e-mail e se apresentar. Caso não seja daqui, procure algum dojo na sua cidade ou crie coragem e inicie o seu.

Imagens retiradas de:
  1. http://templariodatecnologia.files.wordpress.com/
  2. http://sejarealista.files.wordpress.com/
  3. http://diariosdeumsuperman.blogspot.com/
  4. http://www.educacaoadistancia.blog.br/
  5. http://viveoutrasparagens.blogspot.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al