Pular para o conteúdo principal

Tirando proveito das redes sociais

Neste post estou postando minha opiniões e experiências pessoais sem referência a pesquisas e conclusões mais robustas ou de maior reputação.

Muitos amigos tem brincado comigo devido a minha participação em diversas redes sociais. É engraçado observar tais comentários pois eu sempre fui um "later adopter". Ainda mais que isso, sempre fui um cara taxado de "anti-rede-social" tendo em vista minha não adoção serviços como orkut ou facebook.

A verdade é que cada vez mais existe uma socialização das ferramentas na web. De acordo com uma minha amiga, isso faz parte da gameficação das nossa sociedade. Não sei se isso é um fato, mas é real a tendência daqueles que querem criar uma rede social ou tirar proveito das existentes. Não diferente destes, minha participação das redes é bem focada e busco usar cada uma a meu proveito. Afinal, a vantagem destas ferramentas está em compreender aonde está o ponto de equilíbrio. Na minha visão, cada uma destes serviços lhe oferece algumas vantagens em troca de ter um "pouquinho" das suas informações na sua base. Sendo assim a intenção deste post é falar um pouco de como eu utilizo estas ferramentas a meu favor indo além da simples exposição pública.

Google Reader


O Google Reader é hoje a rede social da qual eu tiro mais valor. Para quem não conhece, o gReader é um leitor web de RSS. Isso em si já é uma grande ferramenta, lhe permitindo organizar sua leitura de maneira simples e centralizada. Seu fator social aparece com a capacidade de compartilhar posts que você julga interessante. Essa capacidade amplia a sua abrangência de leitura de maneira muito benéfica, já que você receberá de seus amigos sugestões muito bem filtradas. Afinal, ninguém vai compartilhar algo que não considera interessante.

Eu acredito que o pessoal do Google ainda tira pouco proveito desta rede que pode ser melhorada. Suas informações podem gerar resultados melhores tanto para os leitores quanto para os escritores. Mas de toda forma a "consciência coletiva" age com uma ótima fonte de sugestões de leitura.


Twitter


Eu fui muito resistente ao twitter de início. A idéia de microbloging não me atraiu (como não continua atraindo muita gente), mas acabei compelido a tentar devido a más influências. De início minha resistência se baseava na baixa densidade do conteúdo compartilhado. Para tirar proveito do que é disponibilizado na sua timeline tive que superar/ignorar as guerras de vaidades e os twits vagos.

Superados estes obstáculos consegui tirar proveito da ferramenta ao notar que pessoas que eu curtia o blog compartilhavam bons conhecimentos dentro dos 140 caracteres. Nestes casos eram discussões ou informaçõe interessantes que não justificavam o trabalho de se escrever um post mais elaborado. Este hoje ainda é o maior benefício da rede.

O segundo ponto que eu acho bastante interessante é a capacidade de acompanhar a repercussão e comentários sobre determinados assuntos de maneira facilitada. O uso de hashtags permite a criação e acompanhamento de maneira simples sobre qualquer assunto na ferramenta.

Google Buzz
Nesse bolo o Buzz é o patinho feio. Tendo sido criado para concorrer com o twitter, claramente ele não conseguiu a fama que desejava. Hoje o Buzz é um auxílio em apenas duas frentes que precisam ser muito melhor exploradas. O fato de se integrar com o twitter permite que o processo de discussão se dê de forma mais simplificada. Acho muito mais organizado acompanhar as discussões de um twit pelo buzz, no formato de thread, que na bagunça de replies que o twitter sugere. Por fim, apesar dos vacilos iniciais, o Buzz oferece uma solução mais restrita (menos pública) que o twitter, fora a possibilidade de direcionar o seu público através dos grupos.


Endomondo


O endomondo é uma rede social de praticantes de esportes. O fator da pressão social é algo bastante interessante, mas este não é o fator chave. Tendo suporte a um infinidade de plataformas ele permite através do seu celular você manter o controle centralizado das informações de seus exercícios. Hoje ele permite o registro de quase 50 tipos diferentes de esportes. Ao final todas as informações são concentradas na interface web onde você pode ter um controle mais elaborado das suas atividades e metas.


iCheckMovies


O iCheckMovies é iniciou-se como uma rede para cinéfilos porém, desde a sua integração com o imdb, tem atendido a todo tipo de mídia em vídeo. A ferramenta ainda tem muito que evoluir, principalmente em usabilidade. Seu principal trunfo é não só manter o controle daquilo que você já assistiu mas também de ajudar a descobrir novos itens para assistir. Uma funcionalidade que uso bastante é a de manter uma lista de filmes para assistir (como parte do meu GTD).


Skoob

O Skoob é a única destas redes que tem origem brasileira. Hoje ela não permite um bom controle da reputação de seus títulos e não possui nada para recomendação. Porém ela possui um fácil sistema de inserção de novos títulos bem como uma comunidade ativa no seu controle. Hoje a uso por ser um bom lugar para controlar as minhas leituras. Ele age como um complemento ao meu GTD, permitindo que eu veja a minha fila de leitura, livros desejados e o acompanhamento do que já li.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de software

Hoje em dia está muito em voga se falar sobre o desenvolvimento de produtos e serviços de software. Sendo assim as iniciativas e startups estão alta. Mas para quem está no mercado de Brasília (e de alguns outros centros do país) como eu, sabe que a prestação de serviços nas famigeradas "Software Houses" ( me recuso a chamar de Fábricas de Software ) é bem comum. Porém, este trabalho costuma ser renegado ou, como eu vejo, tratado sob um ponto de vista um pouco equivocado. Uma fábrica de software artesanal Onde se enganam tais pessoas é em que elas estão vendendo. Muitas empresas acreditam, de fato, que vendem software. Eu porém digo que isso é não de todo verdade. Se você é um prestador de serviços e constrói software sob demanda, você não vende apenas o software. Aqui não me refiro aos milhões de outros "artefatos" que são empurrados goela abaixo entregues aos nossos clientes. O que vejo é que vendemos algo que não está limitado ao software que vai pra mão (ou se

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min