Pular para o conteúdo principal

ShuHaRi : Aprendendo a Aprender

Todos os dias somos bombardeados com milhões de informações de todos os lados. Dentre elas, muitas dizem respeito a técnicas, práticas e ferramentas que visam ajudar (ou não) a nossa vida e trabalho. Eu já falei aqui sobre várias que me trazem muito apreço. Porém, após escolher quais dessas vamos experimentar, temos a difícil missão de absorvê-las e realmente aprendê-las.

Para mim o Shuhari é uma ótima filosofia a auxiliar neste caminho de aprendizado e incorporação de conhecimento. Ele é composto por três fases distintas em busca do conhecimento de um conhecimento.

Shu : Proteger


Ao começar o aprendizado de uma técnica devemos nos despir de preconceitos e focar no aprendizado de seus conhecimentos. A fase do Shu consiste em guardar os ensinamentos básicos de maneira passional. Segui-los a risca e buscar entender seus porquês para ter um entendimento completo da técnica.

Esta é a fase em que a maioria de nós desiste. Seja por falta de ânimo ou necessidade ou pelo pior dos motivos, a arrogância. Muitos julgam já conhecer o suficiente sem nem ao menos ter arranhado a superfície de um conhecimento pulando, perigosamente, para as demais fases.

Ha : Desapego

Nesta fase começamos a nos desapegar das regras que nos limitam. O conhecimento profundo somado a prática nos permite começar a quebrar os limites da técnica e saber os contextos onde ela melhor se aplica ou não. Esta é uma fase de maturidade onde já somos capazes de tomar maiores decisões sobre aquele conhecimento.

Nesta fase temos um ótimo aproveitamento daquilo que aprendemos. Com a prática e conhecimento ganhamos eficiência e eficácia naquilo que fazemos trazendo melhores resultados.

Ri : Transcendência


Aqui superamos a técnica, a fluidez e naturalidade já fazem parte de você. É aqui que o horizonte se abre a surgimento e casamento com outros conhecimentos. É uma fase de crescimento e aprimoramento.

Relação com outras técnicas


O Shuhari lembra em muito o Modelo Dreyfus. Sendo bastante breve, este modelo divide a evolução da aquisição de uma habilidade em 5 níveis:

  1. Novato: Possui uma rígida aderência as regras a ele ensinadas.
  2. Novato Avançado: Possui um conhecimento vasto sobre as regras porém possui uma limitação em aplicá-las em diferentes contextos.
  3. Competente: Planeja bem as ações em diferentes contextos e já possui uma vivência em um conjunto limitado de situações.
  4. Proficiente: Possui facilidade em se adaptar a diferentes situações e priorizar os aspectos de cada uma.
  5. Especialista: Age de maneira natural e sem entraves entendendo as limitações envolvidas.
Claramente vemos uma correlação entre os níveis 1 e  2 (Shu), 3 e 4 (Ha) e 5 (Ri). E o modelo de Dreyfus é bastante consistente em suas definições com o que vejo na realidade. 

Para mim, a problemática em comparar ambos consiste que Dreyfus é um modelo, e como tal sua maior contribuição é auxiliar na identificação de onde um indivíduo se encontra em sua escala. Ainda assim, é bastante difícil para uma pessoa conseguir se julgar de acordo com este modelo, sendo mais aplicável por um observador externo.

Já o Shuhari é uma filosofia de aprendizado que busca auxiliar em como dominar um conhecimento. Sendo mais fácil (e aconselhada) de ser administrada pelo próprio indivíduo que a busca. Considero essa filosofia algo com uma capacidade bastante aguçada de transformar atitudes, apresentando mais benefícios para quem a busca.

Imagens retiradas de:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suporte para NoteBook

Hoje em dia usar laptop é um hábito de muitos. Eu mesmo uso laptop diariamente desde 2005 e não tenho pretensões de usar um PC como ferramenta principal de trabalho tão cedo. A mobilidade a praticidade e principalmente a privacidade que o laptop te traz, foram fatores determinantes nesta minha escolha.
Porém como já me foi alertado pela nan, o laptop tem sérios problemas ergonômicos. Temos que escolher entre ter a melhor postura para digitar ou a melhor postura para visualizar a tela, nunca ambos ao mesmo tempo. Fora isto, o teclado da maioria dos notebooks não é adequado para longas horas de digitação. Sobre o touchpad, nem se fala. Por isso já fazem mais de 6 meses que eu utilizo um suporte de notebook com um mouse e teclado usb quando estou na Intacto. Isso melhorou bastante a minha postura e tenho sentido bons resultados com a experiência.
Hoje utilizo o Notepal S, mas ele tem a desvantagem de "esconder" os controle frontais do laptop, por isso, quem estiver interessado …

Suporte para Celular

É engraçado de se pensar que, em 3,5 anos de blog, o post mais acessado do site é o sobre o Suporte para Notebook. Sozinho ele tem quase 3 vezes mais acesso que o segundo colocado. Até hoje eu não sei dizer o por que deste efeito. Apesar disto me orgulho bastante daquele post, afinal além de ter superado minha falta de coordenação motora, ainda cheguei num resultado satisfatório. Já se passaram 2 anos e ambos os suportes se mostram em perfeito estado até hoje.

Pois bem, mas por que ressuscitar este assunto? Na Intacto temos um amigo oculto um pouco diferente, onde cada um tem que fazer seu presente, usando o máximo a sua criatividade. Como eu tirei o Fernando Aguiar, um cara fã de software livre (isso temos em comum). Por isso decidi tentar uma evolução do projeto inicial do Suporte de Notebook (que é aberto e disponível a todos) que elaborei junto ao Marcelo Bassani. Nesta segunda versão usei o Papel Pluma, que apesar de seu valor bem acima que o Paraná (usado anteriormente) resultou…

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente.
Porque Híbrido?Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo nascido re…