Pular para o conteúdo principal

O Manifesto Bermudista

Tudo começou com uma brincadeira mas que por fim se tornou algo sério.


Comecemos pelo problema então.

Quem é de TI deve já ter ouvido falar do Manifesto Ágil. Quem não é, fique tranquilo pois serve a todos da indústria do conhecimento. Pois bem, em seu primeiro princípio temos a seguinte afirmação:

Pessoas e Interações sobre processos e ferramentas.

Este princípio busca valorizar aqueles que são o que realmente importa no trabalho. As pessoas e como elas interagem entre si. Soa como algo óbvio mas não parece ser. O que mais vemos é processos e ferramentas que buscam preencher o espaço que as pessoas e suas interações, capengas, deixam. Eu poderia discorrer sobre diversas vertentes desse problema mas vou focar aqui em uma das ferramentas mais tradicionais: O código de vestimenta.

Talvez você não tenha passado pela experiência de assinar um código de vestimenta seguido pela sua empresa (algo que eu já tive que fazer no passado). Mas é fácil de se observar como, mesmo não explícito, ele rege algumas relações. Uma leve pesquisa na internet revela diversas dicas sobre como se vestir no ambiente de trabalho. É aí que chegamos na relação (não apenas de poder) mas de respeito que as pessoas estabelecem com a vestimenta que você tem.

É nesta relação que a bermuda se mostra como um símbolo forte de resistência. Temos vários casos em que as pessoas foram vetadas de entrar em lugares por estar de bermuda. É muito comum se ligar a imagem da bermuda (ou vestimentas casuais) a falta de respeito. Eu já ouvi de diretores de grandes empresas que a necessidade de se manter uma vestimenta formal é para que as pessoas não confundam o ambiente de trabalho com o de lazer. E então voltamos ao príncipio inicial do manifesto ágil. Estamos então valorizando as ferramentas (um código de vestimenta) pois não confiamos nas pessoas para tomar as decisões do seu dia a dia (no caso, como se vestir).

Muitos já argumentaram sobre a não necessidade desse tipo de ferramenta. Mas para mim nada muda enquanto não se entende o principal porque envolvido. E a maior falha está ainda na contratação de novas pessoas para a equipe. Se a sua empresa está atrás de pessoas incapazes de tomar decisões o que você deveria contratar são "mecânicos e máquinas" que automatizem seu trabalho para você. Mas se você precisa de pessoas que produzam conhecimento você precisa de pessoas que tomem decisões por si próprias.

Quando você avalia as características dete tipo de pessoa você verá que elas não seguem muita das "regras e padrões" estabelecidos. Mas elas são capazes de decidir quando devem pegar leve nas suas excentricidades. É essa qualidade que as tornam capazes de tanto corrigir quando os outros estão errados (e não apenas aceitar tudo como está) e receber críticas sobre o seu trabalho (e aprender com isso). Por isso que estas pessoas fazem a diferença onde trabalham.

Sendo assim o manifesto bermudista se resume a apenas um princípio:

Pessoas e Competências sobre impressões e pre-conceitos.

Pois confiamos nas pessoas para tomar suas decisões (não apenas sobre suas vestimentas) para mudar e evoluir o ambiente ao seu redor. Desta forma, e no espírito dos pequenos atos, que criamos o site do manifesto bermudista. Para divulgar esta idéia a muitos outros que comparilham de nossas opiniões (ou que discordam dela).

PS: Fico ainda devendo a hsitória de como este grandioso movimento teve seu início para um post futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al