Pular para o conteúdo principal

As 10.000 horas

Eu sempre achei a regra das 10.000 horas bastante interessante. Claro que, como toda generalização, ela não é completa e deixa de fora muitas nuances. Entretanto, ela serve de auxílio a quem almeja aprimorar alguma habilidade. Isso por que ela consite em uma métrica bastante simples e ficando fácil traçar um caminho para alcançá-la.

A questão é que esta simplicidade também traz uma grande confusão. Afinal, não basta apenas praticar de forma cega durante todo este tempo para poder ser considerado um especialista em algo. Tome por base dois desenvolvedores que alcançam tal marca. Porém, um deles seguiu todo este tempo codificando aquilo que lhe foi determinado dentro dos limites do seu conhecimento. Já o outro, sempre criticou seu trabalho, buscou formas novas de fazê-lo e melhorá-lo. Seriam ambos tão especialistas após este tempo?

Apesar de achar a marca de dez mil horas uma boa meta, acredito que ela falha em traçar os passos intermediários para se chegar até lá. Acredito também que técnicas como o Shuhari ajudam melhor a nos guiar aquilo na busca de se aprender uma habilidade. Mas aqui eu queria me apropriar de outra analogia para ajudar nesse caminho. Neste caso é uma prática utilizada na aviação (de onde já roubamos a programação em par) para complementar este caminho. Me refiro aos brevês de piloto e as metas intermediárias para alcançá-las. Segue um pouco dos níveis dos "pilotos" e o que imagino disso aplicado ao universo de TI.

Desenvolvedor Esportistas
funkyah
Este é aquele desenvolve apenas por hobby. De acordo com seu brevê ele necessita de 20h práticas para chegar aqui. Tempo este que é raramente alcançado em cursos básicos de desenvolvimento. Isso devido a suas restrições de tempo, estes cusos incentivam pouco a prática. Por isso esse desenvolvedor tem que buscar um pouco mais de experiência por conta própria. Veja também que esse nível, no mundo da aeronautica, só permite ao piloto ter um passageiro (e sem relação comercial) em aviões de pequeno porte. Por isso, aqui o desenvolvedor estaria restrito apenas a brincadeiras e dojos.






Desenvolvedor Pessoal


purchio
Aqui já dobramos o número de horas de desenvolvimento (40 horas), porém as regras dizem que devemos explorar ambientes diversos. Para os pilotos isso quer dizer experimentar diferentes condições como noite, dia, solo e em equipe. Para desenvolvedores isso quer dizer experimentar diversas linguagens e conceitos, ou mesmo projetos distintos. Pela regra ainda não é possível atuar profissionalmente, mas já é capaz de desenvolver projetos pessoais mesmo que em equipe.






Desenvolvedor Comercial
8250578@N06
O mínimo exigido aqui são 250 horas de prática, mas após isto você estará apto a desenvolver comercialmente. Apesar deste nível permiir que você já atue profissionalmente ele te limita a a lidar com projetos de baixa complexidade. Acredita-se que depois de uma bagagem de tempo deste nível, e de forma rica, o desenvolvedor possa encarar a responsabilidade do mundo real.








Desenvolvedor Profissional


caribb
Pela regra seriam necessárias 1.500 horas para se chegar neste nível. Para se ter uma idéia, um curso de computação (como da UnB) exige 250 créditos (aproximadamente 6.700 horas) de seus alunos, destes apenas 26 consistem na prática de desenvolvimento (aproximadamente 700 horas). O que significa que um bom curso superior te levaria a alcançar apenas metade deste caminho. Mas expera-se que com uma e experiência tão vasta, o desenvolvedor já tenha a desenvoltura esperada de um profissional da área.






Mas isso faz sentido?
alicepopkorn
É claro que não. Estas "regras", assim como a das 10.000 horas não garantem nada com relação a sua evolução profissional. Mesmo assim, elas oferecem uma base de comparação para aqueles que querem um guia de como trilhar o caminho para se tornar um grande profissional. No fim das contas o que vai importar será a riqueza de experiências deste caminho (e não o número de horas). Restando então a cada um que busque expandir seus horizontes conforme avança nesta estrada.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suporte para Celular

É engraçado de se pensar que, em 3,5 anos de blog, o post mais acessado do site é o sobre o Suporte para Notebook. Sozinho ele tem quase 3 vezes mais acesso que o segundo colocado. Até hoje eu não sei dizer o por que deste efeito. Apesar disto me orgulho bastante daquele post, afinal além de ter superado minha falta de coordenação motora, ainda cheguei num resultado satisfatório. Já se passaram 2 anos e ambos os suportes se mostram em perfeito estado até hoje.

Pois bem, mas por que ressuscitar este assunto? Na Intacto temos um amigo oculto um pouco diferente, onde cada um tem que fazer seu presente, usando o máximo a sua criatividade. Como eu tirei o Fernando Aguiar, um cara fã de software livre (isso temos em comum). Por isso decidi tentar uma evolução do projeto inicial do Suporte de Notebook (que é aberto e disponível a todos) que elaborei junto ao Marcelo Bassani. Nesta segunda versão usei o Papel Pluma, que apesar de seu valor bem acima que o Paraná (usado anteriormente) resultou…

Suporte para NoteBook

Hoje em dia usar laptop é um hábito de muitos. Eu mesmo uso laptop diariamente desde 2005 e não tenho pretensões de usar um PC como ferramenta principal de trabalho tão cedo. A mobilidade a praticidade e principalmente a privacidade que o laptop te traz, foram fatores determinantes nesta minha escolha.
Porém como já me foi alertado pela nan, o laptop tem sérios problemas ergonômicos. Temos que escolher entre ter a melhor postura para digitar ou a melhor postura para visualizar a tela, nunca ambos ao mesmo tempo. Fora isto, o teclado da maioria dos notebooks não é adequado para longas horas de digitação. Sobre o touchpad, nem se fala. Por isso já fazem mais de 6 meses que eu utilizo um suporte de notebook com um mouse e teclado usb quando estou na Intacto. Isso melhorou bastante a minha postura e tenho sentido bons resultados com a experiência.
Hoje utilizo o Notepal S, mas ele tem a desvantagem de "esconder" os controle frontais do laptop, por isso, quem estiver interessado …

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente.
Porque Híbrido?Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo nascido re…