Pular para o conteúdo principal

Devemos registrar nossos erros

Hoje eu estava assitindo este TED e uma coisa no discurso da Catarina me chamou a atenção. Foi com relação a como os inventores/cientistas de fundo de garagem tem o hábito de regitsrar tudo o que fazem na internet. Não pelo fato disso estar aberto, coisa que a comunidade de software já tem feito a um bom tempo. Mas muito mais pela parte do "tudo". Pois isto é algo que me chama muito a atenção.
Na apresentação ela deixa claro que estes caras não se restringiam a reportar o que deu certo, mas também aquilo que deu errado. Dessa forma, quem está começando já fica alertado de como evitar alguns erros comuns no caminho. Algo que é de grande valia, pois apenas reportar o que dá certo é extremamente restritivo. Tudo bem que essa abordagem indica o caminho mais seguro, mas coloca você dentro de amarras impedem de se experimentar novos caminhos. Conhecer caminhos errados te ajuda a explorar com menos medo estas alternativas.
O que me impressiona nisto é que falar sobre os caminhos que dão errado é bem raro. No meio acadêmico então,  isso é um imenso tabu. Lembro-me bem do Mestre Qui Gondim (meu orientador da graduação) dizendo que não se devia publicar falhas que não se conhece as correções. No mercado temos visto um movimento pra mudar um pouco o medo de se falar sobre os erros. Como tem feito o pessoal da FailCon. Mas ainda assim, é algo bem embrionário. A galera de código tem o StackOverflow funciona como uma imensa base de coisas que deram errado (e suas soluções). Mesmo assim, sinro falta de ver mais posts (ou mesmo livros) sobre caminhos errados.
Eu sei da existência dos "Livros Negros do XXX" e outros afins. Gosto muito deles, mas são poucos e estes buscam manter na fórmula de indicar caminhos certos (junto com os errados). Reforçando ainda mais que não devemos nos restringir apenas no caminho que já conhecemos. Nosso objetivo deve ser buscar um maior aprendizado, mesmo de experiências soltas. Afinal, como o Alê certa vez me disse : "Alguma informação ajuda mais que nenhuma informação.".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suporte para NoteBook

Hoje em dia usar laptop é um hábito de muitos. Eu mesmo uso laptop diariamente desde 2005 e não tenho pretensões de usar um PC como ferramenta principal de trabalho tão cedo. A mobilidade a praticidade e principalmente a privacidade que o laptop te traz, foram fatores determinantes nesta minha escolha.
Porém como já me foi alertado pela nan, o laptop tem sérios problemas ergonômicos. Temos que escolher entre ter a melhor postura para digitar ou a melhor postura para visualizar a tela, nunca ambos ao mesmo tempo. Fora isto, o teclado da maioria dos notebooks não é adequado para longas horas de digitação. Sobre o touchpad, nem se fala. Por isso já fazem mais de 6 meses que eu utilizo um suporte de notebook com um mouse e teclado usb quando estou na Intacto. Isso melhorou bastante a minha postura e tenho sentido bons resultados com a experiência.
Hoje utilizo o Notepal S, mas ele tem a desvantagem de "esconder" os controle frontais do laptop, por isso, quem estiver interessado …

Suporte para Celular

É engraçado de se pensar que, em 3,5 anos de blog, o post mais acessado do site é o sobre o Suporte para Notebook. Sozinho ele tem quase 3 vezes mais acesso que o segundo colocado. Até hoje eu não sei dizer o por que deste efeito. Apesar disto me orgulho bastante daquele post, afinal além de ter superado minha falta de coordenação motora, ainda cheguei num resultado satisfatório. Já se passaram 2 anos e ambos os suportes se mostram em perfeito estado até hoje.

Pois bem, mas por que ressuscitar este assunto? Na Intacto temos um amigo oculto um pouco diferente, onde cada um tem que fazer seu presente, usando o máximo a sua criatividade. Como eu tirei o Fernando Aguiar, um cara fã de software livre (isso temos em comum). Por isso decidi tentar uma evolução do projeto inicial do Suporte de Notebook (que é aberto e disponível a todos) que elaborei junto ao Marcelo Bassani. Nesta segunda versão usei o Papel Pluma, que apesar de seu valor bem acima que o Paraná (usado anteriormente) resultou…

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente.
Porque Híbrido?Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo nascido re…