Pular para o conteúdo principal

Arquitetura Evolutiva tem que respirar

Uncle Bob é um grande defensor da filosofia em que o desenvolvedor deve adiar ao máximo as decisões que criam amarras ao seu código. Esta é considerada prática já estabelecida quando estamos tratando de componentes externos como Bancos de Dados (por mais que alguns não consigam seguir essa filosofia), mas o que Robert quer é ir além, onde nosso código tenha o mínimo de dependência tanto de ferramentas, frameworks até mesmo a nossa arquitetura de deploy.

De início pode não pareceruma tarefa fácil. Como desenvolvedores vivemos uma batalha diária a cada tomada decisão. Estas devem encontrar o equilíbrio entre a sustentabilidade de longo prazo do nosso sistema e a velocidade com que conseguimos colocá-lo no ar. Afinal, o valor presente em um software cuja a manutenção seja impraticável é tão nulo quanto um que nunca vai ao ar. Soma-se ainda que para quem vive uma realidade Lean, apesar do desenvolvimento aparentar incremental, a evolução do produto não segue esta mesma linha. Sendo na real formado por diversas "quebras".


Considerando que a cada etapa do processo de aprendizado do produto muita coisa pode (e provavelmente vai) mudar. Nosso software deve estar pronto para fazer o mesmo. Estando apto a embarcar mudanças que podem até mesmo jogar seu repositório inteiro pela janela. Neste caso, eu considero que duas perguntas são chave na tomada de decisões. Primeiro, "Qual a solução mais barata que eu estou disposto a fazer agora?" e segundo "O que eu posso jogar fora do que eu fiz?". A primeira pergunta é bem conhecida entre os praticantes do Lean Startup (de novo, não que seja fácil de se praticar). Já a segunda envolve uma habilidade que poucos desenvolvedores possuem, o desapego


Muitos de nós temos dificuldade de nos livrar de coisas da nossa vida. Séries como Os Acumuladores estão aí para nos mostrar os extremos a que esse tipo de realidade pode chegar. Infelizmente muitos programadores são acumuladores de código, seja mantendo funcionalidades que não são mais usadas, classes não acessíveis por ninguém, testes que não testam nada ou o pior de todos, código comentado. Muitos amontoam essas quinquilharias sob a promessa de que "podem ser úteis no futuro". Porém, o que acabam fazendo é contribuir para aumentar a carga de legado, levando a produtividade do time para baixo. Por isso, se você possui algo que se encaixe em uma dessas situações no seu código, faça um favor, delete-as. Não tenha medo, o controle de versão vai te ajudar se um dia você precisar de algum artefato arqueológico destes (pouco provável).

Dominada esta habilidade, você estará apto a diminuir o tamanho do seu código. Deixando mais espaço (tanto no projeto como na sua mente) para construir novas coisas. É aqui que retornamos a primeira pergunta. Dela as palavras que mais importante a se levar em consideração são "barata" e "disposto". Por barato o que queremos dizer é aquilo que gera valor de forma mais rápida, implicando em menor custo e por consequência um maior retorno (seja monetário ou de aprendizado). Já no disposto entram os valores que você, como desenvolvedor, impõe no seu trabalho. Talvez você esteja disposto a criar algo que seja insustentável no futuro em prol de um aprendizado mais rápido, para que esta dívida seja paga no futuro. As vezes não tem a disposição para abrir mão de uma solução mais redonda, já que não quer carregar isto para frente. É a disposição (pessoa e da equipe) que determina o tamanho do passo que vai ser dado. Determinando não só o ritmo de trabalho como a segurança com que se caminha.

Dominando esta segunda habilidade, podemos escolher como crescer nosso software. Isso em conjunto com a primeira permite que nosso software cresca em "ondas". Sempre tateando qual o caminho mais seguro para que seu software vá evoluindo. E é isso que permite evoluir não apenas tecnicamente, mas também em valor de negócio. Alcançando o equilíbrio tão necessário para as soluções que nós desenvolvemos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suporte para Celular

É engraçado de se pensar que, em 3,5 anos de blog, o post mais acessado do site é o sobre o Suporte para Notebook. Sozinho ele tem quase 3 vezes mais acesso que o segundo colocado. Até hoje eu não sei dizer o por que deste efeito. Apesar disto me orgulho bastante daquele post, afinal além de ter superado minha falta de coordenação motora, ainda cheguei num resultado satisfatório. Já se passaram 2 anos e ambos os suportes se mostram em perfeito estado até hoje.

Pois bem, mas por que ressuscitar este assunto? Na Intacto temos um amigo oculto um pouco diferente, onde cada um tem que fazer seu presente, usando o máximo a sua criatividade. Como eu tirei o Fernando Aguiar, um cara fã de software livre (isso temos em comum). Por isso decidi tentar uma evolução do projeto inicial do Suporte de Notebook (que é aberto e disponível a todos) que elaborei junto ao Marcelo Bassani. Nesta segunda versão usei o Papel Pluma, que apesar de seu valor bem acima que o Paraná (usado anteriormente) resultou…

Suporte para NoteBook

Hoje em dia usar laptop é um hábito de muitos. Eu mesmo uso laptop diariamente desde 2005 e não tenho pretensões de usar um PC como ferramenta principal de trabalho tão cedo. A mobilidade a praticidade e principalmente a privacidade que o laptop te traz, foram fatores determinantes nesta minha escolha.
Porém como já me foi alertado pela nan, o laptop tem sérios problemas ergonômicos. Temos que escolher entre ter a melhor postura para digitar ou a melhor postura para visualizar a tela, nunca ambos ao mesmo tempo. Fora isto, o teclado da maioria dos notebooks não é adequado para longas horas de digitação. Sobre o touchpad, nem se fala. Por isso já fazem mais de 6 meses que eu utilizo um suporte de notebook com um mouse e teclado usb quando estou na Intacto. Isso melhorou bastante a minha postura e tenho sentido bons resultados com a experiência.
Hoje utilizo o Notepal S, mas ele tem a desvantagem de "esconder" os controle frontais do laptop, por isso, quem estiver interessado …

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente.
Porque Híbrido?Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo nascido re…