Pular para o conteúdo principal

Dojo Day Brasília 1ª Edição

Já fazem 5 anos que faço parte do Dojo Brasília, uma galera maneira com a qual tenho aprendido muito e feito bons amigos. Nos últimos anos, as mudanças de horizontes de alguns membros acabaram por tornar as sessões mais raras, mas nem por isso inexistentes.

Foi com o intuito de movimentar essa galera, e chamar novas pessoas que no último sábado (11/04/2015) tivemos a primeira edião do Dojo Day Brasília. Foram quase 50 pessoas com os mais variados níveis de experiência. Tínhamos desde iniciantes, assustados de mostrar seu código a frente dos outros até experientes praticantes de TDD e outras boas práticas. Tivemos diversas linguagens e problemas diferentes sendo resolvidos, o que só aumentou as experiencias sendo trocadas.



Esse tipo de evento é a maior prova de como uma comunidade não exige muito mais que algumas respostas afirmativas pra seguir em frente. Tudo que foi preciso foi convidar alguns amigos da velha guarda do Dojo Brasília (Flávio Alves, Júlio Protzek, Bruno Rolim e João Stein). Quando você manda uma chamada dessas e só recebe respostas mais que positivas, não tem como o evento não ser um sucesso.


Depois disso, foi só conseguir alguém pra nos emprestar um espaço. Foi aí que a professora Fernanda Lima do Departamento de Ciência da Computação da UnB entrou e nos deu total apoio na empreitada. Com isso conseguimos fazer um evento totalmente grauito (coffee-break foi bancado pela Novatics). Uma bela tarde onde tivemos 7 sessões de dojo, levando a uma retrô cheia de trocas de experiência e um Happy Hour bem divertido.

Deixo então a bola levantada. O que falta pra sua comunidade começar a se movimentar?

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de software

Hoje em dia está muito em voga se falar sobre o desenvolvimento de produtos e serviços de software. Sendo assim as iniciativas e startups estão alta. Mas para quem está no mercado de Brasília (e de alguns outros centros do país) como eu, sabe que a prestação de serviços nas famigeradas "Software Houses" ( me recuso a chamar de Fábricas de Software ) é bem comum. Porém, este trabalho costuma ser renegado ou, como eu vejo, tratado sob um ponto de vista um pouco equivocado. Uma fábrica de software artesanal Onde se enganam tais pessoas é em que elas estão vendendo. Muitas empresas acreditam, de fato, que vendem software. Eu porém digo que isso é não de todo verdade. Se você é um prestador de serviços e constrói software sob demanda, você não vende apenas o software. Aqui não me refiro aos milhões de outros "artefatos" que são empurrados goela abaixo entregues aos nossos clientes. O que vejo é que vendemos algo que não está limitado ao software que vai pra mão (ou se

TDD como ferramenta de aprendizado

Na penúltima sessão do DojoBrasilia surgiu a seguinte questão: Será que o TDD não atrapalha no aprendizado de novas tecnologias?  A grande questão girava em torno de que o respeito estrito as regras ao TDD tornariam o aprendizado lento e enviesado. Isso por que você estaria focado em passar o teste o que estaria limitando sua velocidade no aprendizado na tecnologia, bem como a visão do objetivo final. Caso do dojoBrasília No caso da sessão que levantou a questão acho que o principal sentimento de "lentidão" se deve a grande carga de tecnologias novas que estavam envolvidas. Escolhemos iniciar um problema conhecido em não uma, mas várias tecnologias ( Backbone.js , Undescore , CoffeeScript , Jasmine , etc). Ao final da sessão a sensação de pouco avanço era justificada pelo tempo gasto compreendendo as tecnologias em questão. A sessão seguinte não obteve o avanço que muitos esperavam. Mas nela podemos ver como o uso de TDD compensou. Tínhamos apenas 4 cas

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente. Porque Híbrido? Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo na