Pular para o conteúdo principal

Dicas do Mercado de TI no Brasil

Já fazem mais de dois meses que reuni um time top de amigos para trocar uma idéia online. Essa galera incluia o Saulo Arruda da Jera, Rafael Miranda da HE:Labs, Daniel Wildt da Wildtech e Dairton Bassi, e esse que vos escreve, somando uma vasta experiência no mercado brasileiro de TI. A idéia consistia em discutir um ponto que me incomoda muito nas minhas andanças pelo país: a visão de que o mercado só existe no sudeste. Se quiser conferir o papo na íntegra, vale a pena o play abaixo.


Esse é um tema que me cativa muito, pois acredito fortemente que a nossa área de trabalho vive um momento bastante singular. Existe uma demanda reprimida dos mais diversos mercados sedentos por profissionais capacitados. Mais que isso, somos agraciados pela maravilha de podermos produzir nossos trabalho de qualquer lugar do planeta, desde que exista acesso a internet. O que torna a necesidade de nos deslocarmos fisicamente algo irrelevante para a maioria dos casos.

No fim a conversa acabou sendo bem mais produtiva do que esperado, portanto vou tentar resumir aqui algumas dicas que deixamos para quem nos ouviu até o final.

1 - Tem lugar pra todo mundo

O mercado é amplo demais, temos espaço para atuar no governo, academia e setor privado. Podemos trabalhar nas mais diversas verticais: educação, finanças, agropecuária, mídias sociais, jogos. Os perfis e especializações são igualmente vastos: front-end, back-end, full-stack, big data, open data. As opções do menu são tantas que deixaria Gordon Ramsay furioso. Sendo assim, quem acha que está limitado dentro da carreira, já pode motar existe muita água para velejar.  Aproveite enquanto o vento está forte e o sol agradável.

2 - Faça algo

Graduações, cursos, livros, podcasts ajudam muito a você avançar com seu conhecimento, mas o que vale de verdade é a sua experiência. De nada vale saber todos os Design Patterns, dominar toda a Stack Rails se você não tiver as cicatrizes colecionadas durante as batalhas da produção de um produto de software. E a barreira de entrada para você começar a acumular as suas é mínima. Você não precisa da autorização de ninguém para iniciar seus próprios projetos. Se não tem idéia, você pode ajudar outros com os deles ou mesmo tomar parte em projetos open source. As oportunidades estão aí, basta buscá-las.

3 - Invista em habilidades "não técnicas"

A era do profissional isolado já se foi a muito tempo, não basta você ser apenas um bom técnico é importante interagir com os demais, trabalhar em equipe. Mais que isso, é importante enxergar além do seu próprio trabalho e compreender o cenário geral onde você se encaixa. O bom profissional se questiona do valor que está gerando com seu esforço, ele opina, critica e empurra as fronteiras ao seu redor.

4 - Arrisque e experimente

Com tantas opções e tanta abertura ficar parado parece até uma impossibilidade. Experimente novas técnicas, utilize novas ferramentas, assuma novos papéis. Aproveite as oportunidades para ampliar suas habilidades e horizontes e abrir novas portas.

5 - Tenha o controle da sua carreira

Não importa se você é freela, empresário, empregado ou servidor, a responsabilidade sobre a sua carreira é sua. Não delegue seu futuro, suas decisões e sua felicidade nas mãos de outro. Tome as rédeas e participe. Aproveite essas dicas, encontre os canais onde você pode aplicá-las e passe a pilotar o seu caminho.

Bônus - Não existe solução certa

Por fim, veio uma lição muito importante compartilhada por todos. Nossa educação nos ensina que sempre existe uma resposta certa. Aprendemos a estudar bastante, para conhecer o método correto, e então encontrar a solução ótima para cada problema. No mundo real, infelizmente, muitas vezes tal solução está fora do nosso alcance, ou mesmo inexiste. O bom profissional sabe pesar o quanto vale se esforçar em busca desta figura mítica e analisar o contexto para encontrar aquilo que melhor se aplica para cada caso.


Até a próxima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al