Pular para o conteúdo principal

Aceleração de Startups - Parte 1 - O que é uma aceleradora?

Costumo dizer que eu já participei de mais programas de aceleração que o aconselhado. Contando com 2018, completei a marca de 5 dessas experiências e acho que já passou da hora de colocar em texto um pouquinho do que vivenciei.

Se você não sabe o que é uma aceleradora de startups, vale muito ler este texto do Tony. Aqui vou focar nos critérios do GAN (Global Accelerator Network) do que é um programa de aceleração.

  1. Termos favoráveis aos Empreendedores
  2. Programa de Curto Prazo
  3. Orientado a Mentoria
  4. Pequenos grupos de trabalho*
  5. Oferece espaço físico*
  6. Time forte de gestão

Termos favoráveis aos Empreendedores

Uma aceleradora tem por propósito ajudar que as startups consigam ganhar corpo em um tempo extremamente reduzido. Daí o termo acelerar. É um extremo contrasenso que ela canibalize as quotas da empresa em um estágio tão crucial. Favorecer os empreendedores é chave não apenas para fomentar que estes corram com o máximo de energia nessa etapa, mas também que tenham fôlego nas etapas futuras para novas captações.

A GAN define que este percentual deve estar entre 6% e 10%, que é bastante adequado para um capital anjo. Eu diria que o ideal é tentar ficar o mais próximo de 5% o possível. Temos muitas aceleradoras brasileiras que praticam valores próximos deste percentual. Estar atento a esse percentual contribui para garantir boas condições em um eventual investimento semente ao final do programa.

Vale ressaltar também que esse percentual deve sempre vir na forma de investimento. A aceleradora precisa colocar capital na empresa com dois propósitos: primeiro de fornecer um combustível inicial necessário para que a startup se dedique com unhas e dentes durante o programa, segundo é garantir que a aceleradora tem um nível de risco e interesse no sucesso da empresa. Fica bem claro então que aceleradoras não devem ganhar esse percentual "de graça", muito menos cobrar pagamentos de valores por parte da empresa. As valorações nessa etapa são complicadas e muitas vezes impossíveis devido ao estágio muito inicial da empres. Os valores monetários costumam ser baixos, o que faz desse equity algo bem caro pra empresa. Dessa forma, não é favorável ao empreendedor dar esse percentual sem uma contrapartida monetária da aceleradora.

Programa de Curto Prazo

Um programa de aceleração costuma ter de três a seis meses. Menos que isso e não existe tempo hábil para se ter resultados consistentes. Mais que isso, e a conceito de aceleração acaba por se perder e ficamos mais próximos do que uma incubadora se propõe. O principal objetivo de uma empresa que entra em um programa de aceleração é conseguir chegar o mais rápido possível no próximo estágio da companhia. Essa restrição de tempo é o que assegura que a empresa consiga não apenas mostrar um resultado incrível, mas provar que ele é consistente. Dessa forma atraindo a atenção dos investidores.

Orientado a Mentoria

Um bom programa de aceleração deve contar com uma rede forte de mentores. O objetivo dessa rede é garantir o suporte necessário para catalizar o trabalho das aceleradas. Isso quer dizer que, quando uma empresa tiver dificuldades, deve ser fácil encontrar na rede pessoas capazes de ajudar a equipe a superar esses desafios e construir o caminho. Também deve-se apoiar e catalizar as forças da empresa, criando pontes com pessoas que podem ajudar a dar saltos maiores se apoiando nas forças da empresa.

Outra questão importante é que uma aceleração não é um curso de formação. Existe o pressuposto que as aceleradas possuem as qualidades necessárias para conquistar seus objetivos. A rede de mentores é um fator que acelera essa conquista. Portanto, programas de aceleração não devem ser orientados a conteúdo. Claro que isso não impede que estes forneçam conteúdos de interesse aos acelerados. Mas o foco deve ser no trabalho de cada um e no auxílio individual e personalizado de cada empresa.

Pequenos grupos de trabalho*

O GAN define que devem-se ter grupos de trabalho entre 10 e 20 empresas. *Isso contrasta com as grandes aceleradoras que possuem programas que vão de 50 a 150 empresas, e com diversas aceleradoras nacionais que ficam muito mais próximas das 5 empresas. Aqui, não existe muita ciência a se dizer do lado do empreendedor, mas compartilho minha opinião sobre o assunto.

Startups são fadadas a morrer, este é um fato que deve ser aceito por mais que sempre acreditemos que seremos parte das poucas que vão vencer. Digo isso com mais de três startuos que enterrei no passado. Grupos muito pequenos aumentam bastante as chances de reforçar essa comprovação ao se encontrar batches sem nenhum destaque. Por outro lado, grupos muito grandes dificultam da empresa se destacar em um mar de outras. Isso pode dificultar os planos de quem deseja levantar uma nova rodada ao final. Grupos intermediários garantem um bom grau de intimidade e ajuda entre os participantes bem como demosntram uma curadoria mais afinada aos investidores.

Oferece espaço físico*

Oferecer um espaço físico compartilhado busca garantir uma coesão entre o grupo de aceleradas. A convivência conjunta durante o curto espaço de tempo ajuda a criar laços que impulsionam as empresas. Surgem competições construtivas ao se ver outras empresas conquistando seus desafios, bem como um senso de comunidade para se ajudar outras que estão com problemas. Para muitas empresas, a aceleração é momento de formação do time o que faz desse espaço compartilhado algo chave para a sensação do que a empresa será no futuro.

* A primeira e maior aceleradora do mundo, a Y Combinator, não oferece espaço físico. Sua crença é de que startups devem criar sua própria cultura desde cedo. Dessa forma, não oferecer esse espaço força as empresas a focarem na formação de sua equipe já nessa etapa.

Time forte de gestão

Assim como os mentores, o time de gestão da aceleradora é chave para o bom andamento do programa. Este time tem por objetivo auxiliar os empreendedores a navegar durante o programa com a maior eficiência possível e tirar o melhor proveito do seu tempo. Usualmente é formado por empreendedores experientes que auxiliam com temas que vão desde Gestão da empresa, temas jurídicos, conexão com investidores, financeiro e formação dos times.




Espero que com esse pequeno texto tenha ficado mais claro o que é um programa de aceleração, a que ele se propõe e como separar os bons programas dos que não fazem um trabalho tão bom assim. Eu acredito que a decisão de se participar de um programa desses deve ser feita com carinho, pois da mesma forma que ele pode auxiliar fortemente uma empresa, ele também pode ser uma das causas de seu fim prematuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al