Pular para o conteúdo principal

Carreira em TI

Quem escolhe seguir o caminho da Tecnologia da Informação, escolhe uma estrada repleta das mais diversas opções. Muitos não tem noção de quão longe se extendem as possibilidades de atuação para tal profissional. Junto com o Rafael Miranda, tentei trazer para o papel algumas dicas e visões sobre essa realidade tentando ajudar as pessoas a experimentar mais o que se mostra a sua frente. Isso culminou na nossa apresentação no Agile Brazil deste ano.


Vou passar de maneira bem leve [e leviana] pelos principais pontos. Pra ficar mais palatável, eles se encontram divididos em dois grupos. Um em relação a Valores e Comportamentos e o outro sobre as Dimensões do Trabalho. Valores e comportamentos nos contam sobre a características internas e intrínssecas de você, tentando guiar nossas atitudes e objetivos. Já dimensões dizem respeito ao ambiente em que se escolhe inserir.

Valores e Comportamentos

Autonomia

Qual o grau de liberdade que você tem com relação ao seu trabalho? No mínimo que lhe é permitido escolher como fazer. Afinal, você faz o que faz por que sabe como deve ser feito. Aqui você define o melhor caminho para gerar suas saídas. Ganhando um pouco mais de autonomia, você passa a conseguir decidir o que fazer. Assim pode-se definir quais são os pontos mais importantes a serem resolvidos dentro de um problema ou projeto. Dessa forma, você já se vê capaz de definir quais são as saídas que fazem sentido pro seu trabalho. Por fim, se vẽ capaz de perguntar se vale a pena fazer. Será que este problema faz sentido? Será que este cliente é o mais adequado para a minha empresa? Agora você não não apenas se preocupa com suas saídas, mas também com as suas entradas e o propósito que elas carregam.

Responsabilidade

Quanto responsável você se sente pelo valor do seu trabalho? Você acredita que isso não cabe a você? Afinal quem define o valor do que está sendo realizado é seu chefe ou cliente. Vencendo um pouco essa barreira, você pode enxergar o valor naquilo que você faz. Sabe que o sue trabalho é uma parte de um todo e se concentra nele. Por fim, você entende a sua responsabilidade como um todo, vendo que o valor não se dá por você sozinho, e que você tem que se preocupar com os demais para garantir que aquilo que você faz alcance os resultados desejados.

Colaboração

Existe uma velha visão do desenvolvedor como o lobo solitário focado em seu trabalho. Ele recebe sua tarefa e a executa da melhor forma possível. Porém, a maior parte dos projetos envolvem mais pessoas. Neste caso e vale a pena evoluir e expandir seus horizontes para o time como um todo. Desta forma você verá a necessidade de ir além de suas tarefas e ajudar outros membros, enxergando o resultado conjunto. Forçando seus limites e indo além, você deixa de se restringir as fronteiras do time. Se necessário for, envolve agentes externos (clientes, departamentos, empresas) para se buscar o objetivo traçado.

Qualidade

Como você se sente com o produto final? Sua preocupação é se limita no que é visível? Não vê o valor naquilo que não se vê [de forma imediata]. Andando um pouco a frente, ovcê entende que tudo que foi pedido, da forma como foi pedido, é de valor. Muitos profissionais param aqui, como uma forma de defesa de sua responsabilidade. Mas quem consegue superar, busca sentir orgulho do que faz. Indo além do pedido e comprendendo o que realmente importa no seu trabalho.

Melhoria Contínua

Se você acha que a forma como você trabalha está bom, você se conformou com o que e como você realiza seu trabalho. Mas, se entende que é preciso estar constantemente aprimorando, você pode começar com passos mais seguros, um pouquinho de cada vez. Aceitando mudanças propostas, novas tecnologias e processos. Se começar a sentir uma vontade de correr riscos. Questionar aquilo que já está estabelecido e experimentar formas novas de se fazer varias de suas atividades, Colhendo assim ótimos frutos do seu trabalho.

Dimensões

Trabalho

Existem formas bem diversas de trabalho, as mais tradicionais incluem o espectro do Empregado e o Empregador. Ser empregado envolve acolher uma maior segurança em prol de uma maestria téncica. Já o empregador escolhe abraçar os riscos envolvidos em um negócio, a gestão de pessoas, em prol de ter uma visão completa do valor gerado. O Autônomo, busca um meio termo, possuindo a liberdade de se atuar com diversos negócios e valores ao passo que não tem pra si as responsabilidades de gerir um negócio.

Especialização

A corrente tradicional prega a famosa carreira em Y, onde a evolução profissional coloca ele na direção de ser um Gestor  ou um Especialista. Este é o profissional que domina com maestria uma técnica, área ou ferramenta sendo bastante eficiente e eficaz no que faz. Já o gestor é o profissional que saber guiar e nutrir equipes em direção a um objetivo comum (veja que eu fujo da definição de gerente). Mas nos últimos anos temos visto a ascenção do Generalista, profissional que caminha bem por diversas áreas sendo maleável nas mais diversas situações.

Área

Tradicionalmente temos três grandes mercados: Privado, Governo e Academia. Apesar de existirem grandes intersecções entre eles (seus objetivos e características) cada um possui facetas próprias. Generalizando de forma grosseira podemos dizer que: O mercado privado tem por objetivo a geração de valor econômico, levando a uma realidade mais agitada e demandante. Já o governo tem por objetivo o bem estar da sociedade*. Objetivo este que infelizmente é prejudicado pelos interesses que regem muitas das entidades, levando a uma realidade mais morosa e menos efetiva. Já a academia busca gerar novos conhecimentos, muitas vezes com foco maior no formalizmo. Isto leva muitas vezes a um descolamento entre o meio acadêmico com a sociedade e mercado.



Estes são, bem por alto, os pontos que apresentamos sobre a realidade de TI. Nem de longe são definitivos. E muito pelo contrário, estão aqui como um convite para críticas e sugestões. Considerem a discussão aberta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte  eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente ( seed stage accelerator ) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema. Jornada empreendedora de acordo com a Techstars. Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação. Aprendizado No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de al