Pular para o conteúdo principal

Débito Técnico vs Dívida Técnica

Esta semana, em uma das equipes que faço parte, tive uma discussão sobre essa questão de simples nomenclatura. Para uns pode parecer mera "frescura" de nomenclatura, mas pra mim a diferença carrega uma grande carga semântica.

O termo em inglês é "Tecnical Debt", cunhado por Ward Cunningham, pai do conceito. E por mais que a escrita de debt seja bem similar a debit, àquele tem siguinificado bem diferente deste, bem como do seu falso amigo português-BR débito. Veja a definição de ambos:

debt: (noun) Something that is owed or that is bound to pay to or perform for another. A liability or obligation to pay or render something.
debit: (noun) The recording of an entry if debt in an account.

Soma ainda nisso, a discussão do termo proposta por Martin Fowler. Nele vemos que a metáfora está diretamente relacionada ao conceito de dívida financeira. Onde as decisões mal tomadas incorrem em prejuízos futuros, e esses só aumentam com o passar do tempo (cobrando juros).

Essa mudança semântica muda bastante o sentimento que devemos ter com esse tipo de risco de software. Já que o "débito" é algo que pagamos apenas uma vez (quando se cria) enquanto a "dívida" vai corroendo e cobrando cada vez mais do seu software. Essa analogia, força as equipes a olharem a dívida com mais frequencia minimizando a cobrança dos seus juros. Enquanto quem olha como débito pode esquecer dela como algo que aconteceu no passado e que podemos deixar passar.

Quem quiser ler uma pouco mais sobre o assunto, aconselho o livro Clean Code do Uncle Bob.

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência de software

Hoje em dia está muito em voga se falar sobre o desenvolvimento de produtos e serviços de software. Sendo assim as iniciativas e startups estão alta. Mas para quem está no mercado de Brasília (e de alguns outros centros do país) como eu, sabe que a prestação de serviços nas famigeradas "Software Houses" ( me recuso a chamar de Fábricas de Software ) é bem comum. Porém, este trabalho costuma ser renegado ou, como eu vejo, tratado sob um ponto de vista um pouco equivocado. Uma fábrica de software artesanal Onde se enganam tais pessoas é em que elas estão vendendo. Muitas empresas acreditam, de fato, que vendem software. Eu porém digo que isso é não de todo verdade. Se você é um prestador de serviços e constrói software sob demanda, você não vende apenas o software. Aqui não me refiro aos milhões de outros "artefatos" que são empurrados goela abaixo entregues aos nossos clientes. O que vejo é que vendemos algo que não está limitado ao software que vai pra mão (ou se

Formando pessoas desenvolvedoras na bxblue

Eu sempre fui apaixonado por ensinar. Trabalho com a formação e ensino desde 2003, indo desde o ensino das bases de computação até lecionar em cursos de pós-graduação. Estar no dia-a-dia com pessoas que estão no começo da carreira é um mix de satisfação e desafio. Satisfação por você ter a oportunidade de contribuir com um pedacinho tão especial da história daquela que será uma pessoa desenvolvedora no futuro. Desafiadora pelo fato de precisarmos nos despir de aprendizados já superados em nossas mentes e nos esforçamos por enxergar novamente pelos olhos de quem ainda não tem a mesma vivência que você. Por onde passei, eu sempre acreditei que um bom equilíbrio entre profissionais experientes e em formação é a melhor combinação para um time de tecnologia. Isso é benéfico não apenas para a retenção, como também é estímulo para uma cultura de aprendizado e humildade. Cultura essa que favorece o compartilhamento e interação não apenas entre quem faz o software, mas também as demais áreas da

WorkChopp Intacto

Olá pessoal! Sou o @andersonfer_ e tô invadindo o blog do Fabricio pra contar sobre um evento muito legal que organizamos na @IntactoSoftware . Como eu ainda não tenho blog (shame on me), pedi permissão pra falar por aqui! Espero que gostem! Depois do #agileBR , todos nós voltamos naquela vontade de distribuir o conhecimento adquirido lá entre toda galera. Então tivemos a ideia de organizar um workshop baseado em uma dinâmica que eu assisti, apresentada pelo Emilio Gutter e pela Alejandra Alfonso . Eu sempre fui muito favorável às dinâmicas, jogos e afins pq acho que têm um poder muito grande de quebrar as resistências das pessoas e fazê-las enxergar os benefícios das metodologias e técnicas ágeis para além dos contextos e projetos em que estão inseridas e consequentemente tentar aplicar esses conceitos no seu dia-a-dia. Optamos por relizar a dinâmica Construindo A Cidade Ágil. Os 2 grupos tinham à disposição papeis coloridos, tesoura e cola pra construir, em 4 sprints de 3 min