Pular para o conteúdo principal

Aceleração de Startups - Parte 2 - Como é o ecossistema ?

Continuando a série sobre aceleradoras, onde na primeira parte eu falei sobre o que é uma. Hoje vou contar um pouco de como é o ecossistema que a rodeia. Vale ressaltar que o tipo de aceleradora descrita seria melhor definida como sendo uma aceleradora de estágio semente (seed stage accelerator) e desempenha um papel bem específico nos "degraus" da escalada empreendedora. Uma das formas visuais mais interessantes de desenhar este caminho é a feita pela Techstars para explicar ela participa nos mais diversos estágios do ecossistema.

Jornada empreendedora de acordo com a Techstars.

Usando esse desenho como base, vou tentar delinear como alguns elementos se encaixam nesse ecossistema. Vale ressaltar que essa não é uma relação exaustiva, novos tipos de intervenções são criadas a todo momento, antigas caem em desuso mostrando sua constante evolução e adpatação.

Aprendizado

No nível de aprendizado, o foco está em fomentar o empreendedorismo e a ensinar o básico de algumas técnicas usadas para a criação de startups. Seu foco é bastante intenso nos indivíduos e não nas empresas. Mesmo usando esse termo, tais iniciativas focam em suscitar a curiosidade e o interesse no assunto. Geralmente envolvem workshops curtos indo 1 dia a 1 semana. Dentre as iniciativas que se destacam temos o Startup Weekend e o Lean Startup Machine.

Formação de Fundadores 

O objetivo aqui ainda é em capacitar os fundadores. Porém, de forma mais profunda instruindo nas habilidades que os ajudarão a criar suas startups no futuro. Muitos programas nesse estágio se denominam pré-acelerações. Apesar de se utilizarem de idéias nascentes, tais programas exergam essas startups e sua execução apenas como um ambiente de teste para o aprendizado. Tais programas são fáceis de se identificar por algumas características. São programas curtos, durando de 4 a 6 semanas com um forte enfoque em conteúdo. Podem ser gratuitos ou pagos e não tem comprometimento de participação (equity).

Estes programas podem ser de grande valia para quem está começando agora neste universo e deseja ganhar um pouco mais de conhecimento antes de mergulhar de cabeça. Para escolher um bom programa vale observar qual o corpo de pessoas que vai ministrar os conteúdos. Devem ser de bom gabarito, com o intuito e capacidade de auxiliar no aprendizado. Observe quem é a organização responsável, seu histórico e o interesse dela em realizar o programa. Muitos são realizados por faculdades, aceleradoras ou grandes empresas como forma de estar de olho em novos talentos ou idéias e execuções sinérgicas. Um ponto que desaconselho é, nesta etapa, ter qualquer tipo de vínculo ou amarra. Ceder participação ou limitação de atuação comercial em uma fase tão inicial pode significar o fim de uma carreira empreendedora prematuramente.

Fomentar Startups

Nesta etapa o objetivo é ajudar startups chegarem no próximo estágio. É aqui que as aceleradores de estágio semente que eu descrevi se encaixam. Vale também citar aqui outras iniciativas como as tradicionais Incubadoras. Estas funcionam de maneira similar as aceleradoras, dando suporte de conhecimento para auxiliar empresas nascentes. Normalmente incubadoras estão associadas a universidades, não se limitam apenas a startups, possuem um enfoque em modelos mais tradicionais de gestão e atuam em um tempo mais longo (usualmente de 1 a 2 anos).

Ganhar Escala

Muitos pensam que neste estágio a única iniciativa válida seria os investimentos de risco (Venture Capital). De fato, investimentos estão presentes em todos os estágios e valeria uma conversa apenas focada neles. Mas pensando em iniciativa de fomento, vale destacar uma ganhado corpo nos ultimos anos. São os programas de aceleração para scale-ups. Estes focam em produtos já em execução, que tenham provado uma boa colocação e execução no mercado, mas ainda não tenham alcançado o ponto de escala. Seu objetivo também é em auxiliar a empresa a chegar no próximo estágio. A diferença fica nos desafios que uma organização já formada, com um produto que resolve um problema e com um modelo de negócio provadamente repetitível, possuem. Iniciativas que valem de se destacar aqui seria o YC Series A program e o BTG Boostlab aqui no Brasil.




Espero que com esse e pequeno texto tenha ficado mais claro como as diversas iniciativas do ecossistema se complementam. Em especial, espero que esteja mais claro como os programas de aceleração se diferenciam dos demais. Cada um tem seu lugar em fomentar a jornada empreendedora conforme ela evolui. Meu incômodo que tentei demonstrar é que diversos programas se vendem como iniciativas não correspondentes, com o intuito de "inflar" seu valor. Entender bem onde cada iniciativa se encaixa ajuda a identificar quem são os bons elementos do mercado e como eles podem realmente te ajudar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Suporte para Celular

É engraçado de se pensar que, em 3,5 anos de blog, o post mais acessado do site é o sobre o Suporte para Notebook. Sozinho ele tem quase 3 vezes mais acesso que o segundo colocado. Até hoje eu não sei dizer o por que deste efeito. Apesar disto me orgulho bastante daquele post, afinal além de ter superado minha falta de coordenação motora, ainda cheguei num resultado satisfatório. Já se passaram 2 anos e ambos os suportes se mostram em perfeito estado até hoje.

Pois bem, mas por que ressuscitar este assunto? Na Intacto temos um amigo oculto um pouco diferente, onde cada um tem que fazer seu presente, usando o máximo a sua criatividade. Como eu tirei o Fernando Aguiar, um cara fã de software livre (isso temos em comum). Por isso decidi tentar uma evolução do projeto inicial do Suporte de Notebook (que é aberto e disponível a todos) que elaborei junto ao Marcelo Bassani. Nesta segunda versão usei o Papel Pluma, que apesar de seu valor bem acima que o Paraná (usado anteriormente) resultou…

Suporte para NoteBook

Hoje em dia usar laptop é um hábito de muitos. Eu mesmo uso laptop diariamente desde 2005 e não tenho pretensões de usar um PC como ferramenta principal de trabalho tão cedo. A mobilidade a praticidade e principalmente a privacidade que o laptop te traz, foram fatores determinantes nesta minha escolha.
Porém como já me foi alertado pela nan, o laptop tem sérios problemas ergonômicos. Temos que escolher entre ter a melhor postura para digitar ou a melhor postura para visualizar a tela, nunca ambos ao mesmo tempo. Fora isto, o teclado da maioria dos notebooks não é adequado para longas horas de digitação. Sobre o touchpad, nem se fala. Por isso já fazem mais de 6 meses que eu utilizo um suporte de notebook com um mouse e teclado usb quando estou na Intacto. Isso melhorou bastante a minha postura e tenho sentido bons resultados com a experiência.
Hoje utilizo o Notepal S, mas ele tem a desvantagem de "esconder" os controle frontais do laptop, por isso, quem estiver interessado …

De Híbrido a 100% remoto - o caso da bxblue

A bx nasceu como uma empresa remota. Durante os primeiros 18 meses, os três fundadores --  eu, Guga e Roberto -- trabalhamos de nossas casas. Passado esse período inicial de maturação da idéia, nosso time começou a crescer, e acabamos optando por seguir um modelo híbrido. Nele tecnologia e marketing permaneceram remotos porém nosso time de atendimento e vendas ficou atrelado ao nosso escritório. Mas, como em muitas outras empresa, isso mudou nas últimas três semanas. Depois de tantos anos, nos tornamos uma empresa 100% remota. O O grande incentivo veio da situação que vivemos no mundo atualmente. Tendo o isolamento social como uma medida necessária a todos que tem o privilégio de poder fazê-lo, era nossa responsabilidade fazer tal mudança. Pois minha intenção aqui é contar um pouco tem sido essas 3 semanas que marcam o começo de um período que a ainda tem muito pela frente.
Porque Híbrido?Antes, deixe-me explicar por que escolhemos o caminho de ser uma empresa híbrida, tendo nascido re…